quinta-feira, novembro 16, 2017

VESTIBULAR EM ITAÚNA


Se não me falha a memória, a Universidade de Itaúna foi criada em 1965. O governador era Magalhães Pinto e a influência de Miguel Augusto Gonçalves de Souza, pesou muito. Criou logo uma universidade, não se contentando com uma ou duas faculdades. Logo cinco de uma vez.
Naquela época era muito difícil fazer curso superior. Poucas universidades e algumas faculdades esparsas. Divinópolis tinha um curso de Direito, salvo engano, com aulas só nos finais de semana.
Eu cursava Letras em Belo Horizonte. Meus dois amigos, Imar e Dinarte estudavam Agronomia em Viçosa. Partiu deles a ideia de montarmos um "Cursinho" pré-vestibular, com vistas aos futuros alunos da Universidade recém fundada.
Minha mãe, professora do Curso Normal, conseguiu com dr. Guaracy, duas salas no velho educandário para darmos as aulas. Imar ficou com as cadeiras de Química e Biologia, Dinarte iria lecionar Matemática e Física. Eu fiquei com Português, Inglês e Francês.
Arranjamos uma meia dúzia de alunos. Eu tinha mais do que isso, em virtude dos cursos de Direito, Letras e Pedagogia. Exatas, Química e Biologia, nos cursos de Odontologia e Engenharia.
Começamos com pompa e circunstância. Compramos caixas de giz e apagadores na papelaria do Carmelo. Imar queria usar guarda-pó. Achamos meio muito e o dissuadimos da ideia.
A primeira aula coube a ele. Sempre foi competente. Deu uma bela aula de química. Assunto: moléculas. O básico do básico, para iniciantes. Esmerou-se nas explicações, nos exemplos e em desenhos no quadro negro. Estava entusiasmado. Dinarte e eu assistíamos a tudo. A aula seguinte seria Biologia. Minha lida, só no dia seguinte.
Imar terminou a aula e se colocou à disposição para perguntas. Um dos alunos, já entrado em anos, e figura de respeito na cidade, formulou a pergunta sem pestanejar:  " professor, creio que entendi tudo. Só tenho uma dúvida. Onde é que podemos encontrar as tais moléculas?
Imar ficou vermelho e por pouco não esganou o aluno. De chofre respondeu: " elas, como eu disse estão por toda parte. Mas, não adianta procurar. São tão miúdas que um montão de dois metros ninguém enxerga"!!!!!
Dito isso, resolvemos os três, de comum acordo encerrar o nosso Cursinho. Pelo nível da pergunta desistimos da tarefa. Nos dedicamos à Topografia. Isso é outra história.
(Devido as provas do ENEN, tão alardeadas, resolvi escrever sobre os vestibulares) A história é verídica. Tenho testemunhas.


Texto: Urtigão (desde 1943) é pseudônimo de José Silvério Vasconcelos Miranda, que viveu em Itaúna nas décadas de 50 e 60. Causo verídico enviado especialmente para o blog Itaúna Décadas em 05/11/2017.
Acervo: Shorpy


0 comentários:

Postar um comentário