quinta-feira, junho 29, 2017

MEMÓRIAS DO CINE REX PARTE IV

UMA NOITE MEMORÁVEL
*Urtigão

Como bem lembrou minha querida colega de ginásio, a escritora Maria Lúcia Mendes, vários cantores passaram pelo palco do Cine Rex.
Dentre eles, a apresentação de Nelson Gonçalves foi uma apoteose. Não só pela presença do eterno boêmio, mas por fatos que antecederam a sua chegada. Cantores daquela época tinham gogo. Nelson Gonçalves tinha um vozeirão inconfundível.
O cantor preferido dos " puteiros". Dez entre dez mulheres da chamada " vida fácil" eram fãs incondicionais do cantor de "Dolores Sierra". A canção narrava a desdita de uma prostituta de Barcelona. Imaginação fértil de Evaldo Gouveia e Jair Amorim.
Ao contrário dos cantores atuais, que demandam uma parafernália de equipamentos de som, iluminação e dançarinas que rebolam e fazem "play back", cantar naqueles tempos demandava somente competência, potência de voz e um violão para acompanhar. Era o suficiente.
O Cine Rex estava apinhado e era um dia de semana. As duas primeiras fileiras totalmente ocupadas pelas " moças da rua do Rosário".
Ver Nelson Gonçalves cantar era um privilégio. A sala de exibições, impregnada de perfume Royal Briar. Perfume enjoativo, agarrava no corpo da gente, denunciando para as mães zelosas o paradeiro do filho na noite anterior. Detalhes!!!
Na plateia, um dos mais entusiasmados era o Rameh. Fã inconteste do Nelson, aguardava irrequieto a noitada de cantoria. De repente, andando apressado, aparece o Ricardo, filho mais novo do Crispim do Rex. Confabula com o pai e do palco anunciam no microfone: Nelson Gonçalves estava atrasado. Chegaria com certeza, mas somente dali a uma hora. Como na letra de "Normalista", sucesso na voz do interprete aguardado, " o remédio é esperar".
Foi aí que houve a intervenção do Rameh. Subiu no palco, tomou o microfone e convocou a presença do "Jura Mi", filho do "Cabra", lustrador de móveis e boêmio inveterado. Fiel escudeiro de serenatas e seresteiros. Iriam cantar as músicas do Nelson e entreter a plateia até a chegada do astro. Dito e feito. As " moças da rua do Rosário" aplaudiram de pé. A dupla era muita querida na parte mais íngreme da rua Gonçalves da Guia. Sucesso absoluto. A espera foi uma festa. O astro chegou, cantou e encantou. Carregado em triunfo.
Junto com ele, Rameh Gonçalves Machado que quando cantava adotava o apelido de "Emerson Devagar".


Nelson Gonçalves

Duas notas:
Sem querer polemizar, informo ao Prof. Rabelo que Casablanca, filme estrelado por Ingrid Bergman e Humphrey Bogart, não foi exibido no Rex. Foi projetado em Itaúna, em 1956, no Cine Sant'Ana. Assisti na época, fazendo companhia a minha mãe e a D. Marta de Oliveira Guimarães, diretora do Grupo Augusto Gonçalves.

Nunca soube o nome do Jura mi, que depois passou a ser conhecido apenas por Jura. A origem do apelido veio de uma canção que fez sucesso na voz de Frei Jose de Guadalupe Mojica, que tinha o seguinte refrão: "jura mi, por un beso enamorado......"O Jura adorava. (Cultura inútil)


*Urtigão (desde 1943) é pseudônimo de José Silvério Vasconcelos Miranda, que viveu em Itaúna nas décadas de 50 e 60. História enviada especialmente para o blog Itaúna Décadas em 29/06/2017


Acervo: Instituto Cultural Maria Castro Nogueira.
Acervo Lilian Gonçalves
Jornal Folha do Oeste - Itaúna


0 comentários:

Postar um comentário