sexta-feira, janeiro 11, 2013

Antiga Matriz Parte 2




A Nova Matriz 

Parte 2

Por Morfeu

  Pouco a pouco , em cada dia que passa, em cada mês e em cada ano, Itaúna vai demolindo  e destruindo as sagradas relíquias de Santana do Rio São João Acima, para nos seus lugares levantarem-se obras novas, obrigando assim dessa maneira , os seus representantes ainda vivos a cantarem saudosos :
“Santana – O terra amada!
Que Itaúna nos roubou.
Tua lembrança abençoada
“Neste peito aqui ficou...”
  É que estão demolindo a velha Matriz do Pe. Antônio, o tempo histórico dos Santanenses, que há meses vinha ameaçando ruir. É que estão tirando aquelas pedras e aquele barro que á cento e poucos anos atrás os nossos bisavôs Santanenses carregaram na cabeça, com um invejável espírito evangélico.   Ao contemplar a velha Matriz e ao ver a picareta, o martelo e a alavanca desmancharem as suas paredes, numa visão retrospectiva relembro-me, saudoso, das suas festas pomposas, vejo o Pe. João com toda a sua neurastenia, assisto à todas as missões do bondoso Pe. Geraldo presencio casamentos imponentes e sirvo de padreco nos meses de Maria.   Os velhos, estes , quando passam pelo largo, param em frente dela e ficam considerando embevecido as suas formas, durante muito tempo, dando a impressão de que querem gravar na lembrança, com caracteres  indeléveis , as suas menores coisas.   Estão demolindo, é verdade, a tradicional Matriz do Pe. Antônio para no seu lugar construir-se uma nova, confortável e moderna.  A comissão encarregada do seu a levantamento, tendo pela frente as figuras respeitáveis do Cel. João de Cerqueira Lima e do Dr. Daria Gonçalves de Souza reuniu-se aparatosamente domingo passado.   Nessa reunião, segundo se apurou, ficou deliberado, em definitivo, mas em linhas gerais o plano do soerguimento do novo tempo de Cristo.
De fato, se não há engano, a comissão resolveu :
Construir o novo tempo de Deus no mesmo lugar da velha Matriz;
Esta será posta toda abaixo;
O estilo do novo templo será simples, sem arquitetura cara  e dispendiosa, porém moderno ;
Será do mesmo tamanho do da velha Matriz;
A despesas na sua construção irão no máximo a duzentos contos de réis ;
É para estar pronto dentro de um ano, quando muito. Com esta iniciativa, inesperada por todos os itaunenses, e que causou em todos os espíritos católicos geral contentamento, a obra idealizada pelo esforçado Pe. Inácio Campos, isto é, a construção da suntuosa Catedral do Cemitério Velho morrerá certamente, e infelizmente, no nascedouro. Assim, perderam-se esforços  e sessenta contos de réis , gastos nos seus alicerces , agora em completo abandono. Foi pena, digo. Mas foi também um castigo, retrucam-me os espíritos supersticiosos e respeitadores  dos manes dos que se foram para o além. É verdade, aqueles alicerces que lá estão foram feitos todos eles com o maior desrespeito aos mortos que ali jaziam ou jazem. Arrancavam-se caixões estouvadamente, entre chacotas e gracejos, quebravam-se esqueletos entre risos, surrupiavam-se obturações com todo o cinismo. Aquilo foi castigo, um rebate dos mortos, afirmam. E não foi má vontade do povo, nem falta de dinheiro! Suponhamos  que assim fora. E se assim foi, na verdade, é um bom aviso para que os demolidores da velha Matriz tenha o máximo de respeito com os manes do venerado Pe. Antônio, que ali ainda tem os restos mortais, para que não aconteça o mesmo com o templo ora começado com tamanho afam.


Pesquisa : Charles Aquino
Local : Instituto Cultural Maria de Castro Nogueira - ICMC
Jornal de Itaúna
Itaúna, 22 de Abril 1934
Diretor Redatorial : Viriato Fonseca


Diretor Gerente: João Batista de Almeida
     

0 comentários:

Postar um comentário