quinta-feira, agosto 02, 2012

Péricles Gomide Júnior

 Péricles Gomide Júnior,
 Bancário e escritor e, como tal, adotou o pseudônimo de Pancrácio Fidélis. Durante muito tempo, escreveu crônicas sobre Itaúna no jornal "Folha do Oeste", de seu irmão PIU. Tais crônicas foram transformadas no livro "Crônicas e Narrativas de Pancrácio Fidélis", lançado na década de 60, e fez enorme sucesso.
Com sabor provinciano, tem pitadas de malícias e o fino humor da mineirice esperta.
Nascido em 1923, filho de comediantes amador, ele próprio ator - tem presença o teatro na Itaúna da época- Gomide Jr. entregou telegrama a cavalo no início da vida. Mais tarde, em BH, estudou no seminário Dom Cabral e no Colégio Santo Agostinho, trabalhou em indústria e morreu alto funcionário de banco.
Seu humor não era apenas do texto, estava na maneira de ver a vida.  Consta que, incomodado de falar sozinho, foi ao médico, que não viu nada errado. "Doutro, dê um jeito. Minhas conversas são muito chatas!" Soa a humor urbano de hoje.
Numa crônica, divertida e politicamente incorreta, advoga que os itauneneses são todos judeus, e lista hilariantes razões. Em "Aeronauta Intrépido", nos diverte com seu medo de avião Noutra, trata a polêmica pública sobre inventário privado, e arranca risos com o piloto de Lagoa que quer arrancar telhas da Prefeitura de Itaúna-rivalidade entre municípios, num estado retalhado por emancipações de conveniências políticas,´e tema fecundo para o seu olhar atento e perspicaz.
Típica desse espírito é "Subserviência itaunense ante a arrogância do Pará", de 1955. Reclama que Pará de Minas tem dos maiores estádios de Minas, e Itaúna, nada; tomou "a estrada que, vindo de Belo Horizonte, passaria pela porta da cozinha lá de casa e ia até Divinópolis", mas o governador Benedito Valadares "puxou a estrada para o Pará e nos deixou no ora veja". Queixa que Ovídio de Abreu, presidente do Banco do Brasil, "auxiliou todas as instituições (...) de lá, (...) e nós de Itaúna ficamos a sugar o dedão da mão esquerda". E, "quando Itaúna quis se emancipar, o velho amigo de Pará de Minas não topou a parada". E resume: "Pará sempre levou vantagem (...) E nós, elegendo Ovídio de Abreu e votando em Benedito Valadares, bolas! 
É humor mineiro, escrito por ótimo cronista !

Fonte:
Resumo  texto  de Alcione Araújo 
Jornal Estado de Minas 9 Março 2009

0 comentários:

Postar um comentário